.Jogos: 7 razões para jogar Dying Light

bahzofilaetc_Dying_Light_poster

Para um(a) amante da temática de zumbis, jogos são sempre uma alegria de se viver. Ainda mais se o jogo em questão for Dying Light.

Dying Light é um jogo de sobrevivêndia em primeira pessoa. Desde o momento em que vi o trailer eu sabia que seria um jogo favorito… e eu estava certa! Agora que o zerei, queria compartilhar com vocês algumas razões para jogá-lo!


1 – História

No fundo, no fundo… É o clássico tipo de zumbi que surge a partir de um agente patológico. O seu personagem (Kyle Crane) é um agente da misteriosa agência GRE, que te solta dentro da cidade de Haran com a missão de resgatar arquivos confidenciais.

A cidade está em quarentena devido à contaminação, ou seja, nada sai! As pessoas passam dificuldades, os recursos são escassos e você tem de se virar com o que conseguir. Muitos itens necessários como kit médicos, gazuas (para abrir fechaduras) e até armas você mesmo precisa fazer com componentes que encontrar pelo mapa.

Além dos zumbis, você precisa lidar com todo tipo de pessoa que aparecer no seu caminho, inclusive pessoas nada amigáveis.


2 – Missões e mapa aberto

A história se desenvolve por meio de missões que você tem de cumprir pelo enorme mapa aberto da cidade. Ao vasculhar cada cantinho você também se depara com várias missões paralelas que, além de permitirem um maior desenvolvimento do personagem, apresentam diversos moradores da cidade e suas histórias (muitas vezes malucos  como o cara que acha que é um lobisomem…).


3 – Jogabilidade

Uma das minhas coisas favoritas neste jogo é a jogabilidade. Os movimentos são todos inspirados no parkour, o que significa escalar quase qualquer coisa, fugas incríveis, ataques incríveis e explorar a cidade da forma que você quiser. Se não fosse por algumas missões, você poderia passar boa parte do jogo nos telhados das casas (hahahaha).

Simplesmente uma das melhores coisas nesse jogo. Palavra de uma jogadora muito medrosa que adora ter mil opções de fuga!


4 – Modo noturno

Acho que eu sou uma das últimas pessoas que deveria falar sobre o modo noturno de jogo mas ele precisa ser elogiado! Como já falei logo ali em cima, sou uma jogadora muito medrosa. Agora imagina que você é extremamente medrosa(o) e tem fobia de escuro. Agora se coloque num mapa totalmente escuro, no qual os zumbis são mais fortes e inclusive existe um tipo de zumbi superforte que só existe a noite e te persegue para sempre. POIS É. Te adesafio a acender a sua lanterna!

Vou confessar que devido a vários medos eu tentei evitar o modo noturno o máximo possível, já que realmente eu era dominada por um medo sem limites. Mas acho que o bacana é justamente isso. O jogo te apresenta duas propostas diferentes: o modo diurno, no qual você tem uma grande liberdade de locomoção e consegue ter vantagem em combates diretos; e o modo noturno, muito mais tenso, perigoso, no qual você basicamente só corre pela sua vida e tenta completar algumas missões. Difícil ficar entediado.

bahzofilaetc_Dying_Light_SC_2


5 – Gráficos incríveis

A maioria dos jogos hoje tem ótimo gráficos, mas é sempre com frisar aqueles que você gosta! Os efeitos são super bem feitos: desde a água da lagoa, aos reflexos de luz, até a gosma que escorre do nariz do zumbi. Você tem tudo. Mas uma das coisas que eu gosto muito é subir na torre mais alta da cidade (em algum ponto você fará isso, dentro ou fora de uma missão) e ver toda a cidade.  À medida que as horas do dia passam, você vê os efeitos que acompanham a passagem do tempo. Parabéns aos responsáveis, que atentaram a todos os detalhes.

bahzofilaetc_Dying_Light_SC_1


6 – Humor negro

O jogo tem um humor negro ótimo. Desde o nome de armas que você pode fazer, zumbis tropeçando e caindo de predios até pessoas malucas e delirantes, você vai dar algumas gargalhadas nesse jogo. Se nada disso funcionar, você terá a oportunidade de fazer vários partobas… hahahah.


7 – Expansão a caminho!

Sim! Dying Light: The Following está a caminho com um novo mapa enorme (do tamanho do mapa original de Dying Light) novas armas (inclusive agora você pode dirigir carros) e informações sobre a história de Kyle Crane. Infelizmente ainda não foi divulgada a data de lançamento. Quer sentir as emoção? Veja o trailer:


Eu não joguei no modo co-op nem no multiplayer, então se alguém teve a experiência e quiser complartilhar sua opinião, é só deixar um comentário aqui embaixo!

O jogo está disponível para Playstation 4, XBox One, Microsoft Windows e Linux. Para os jogadores de PC como eu, vocês podem encontrar o jogo na Steam e na Nuuvem.

Então é isso! Já jogaram o jogo? O que acharam?

.Livros: 4 obras do Stephen King

Eu diria que Stephen King é um dos meus autores favoritos de todos os tempos. Não digo que amo absolutamente tudo o que ele escreve – primeiro porque ele escreve muita coisa, e segundo porque nem tudo que ele escreve me agrada – mas alguns livros dele que eu li são incríveis e estão na minha lista de favoritos.  Então resolvi selecionar 4 obras dele e mostrá-las a vocês!

  • O Iluminado (The Shinning)

Capa do livro

Clássico sucesso do Stephen King. Me envolvi de cara com a história e os personagens. É um livro muito intenso, no qual você é incapaz de relaxar. Simplesmente incapaz! E tenho de admitir que alguns capítulos eu só consegui ler durante o dia… (medrosa lvl 100). A história é bem famosa: família cheia de problemas vai passar alguns meses cuidado de um hotel que ficará fechado devido ao intenso inverso. Lá eles ficam praticamente isolados do mundo e tem como compania todas as tretas assombrosas que moram no hotel. Depois deste livro eu sempre fico com medo de hotéis… Foi adaptado para os cinemas mas acredito que o filme não conseguiu captar o clima do livro (mas não significa que seja um filme ruim!).


  • A Hora do Vampiro (Salem’s Lot)

bahzofilaetc_capa salems lotEsse livro me deu muito medo. De verdade. É um livro de terror de vampiros. Não é uma dessas histórias que super sensualiza o vampiro e te faz querer sem vampiro também. NÃO! Esse livro é sobre mortes e desaparecimentos e desolação!  Sei de pessoas que começaram a lê-lo e desistiram, e eu até entendo: as duzentas primeiras páginas são menos cativantes mesmo, já que contém uma longa introdução sobre a cidade na qual a história se situa e seus moradores. Ao terminar de ler esse livro eu compreendi totalmente esta introdução, para você ter suas próprias conclusões sobre o que acontece com a cidade. Então eu digo: força na peruca porquê vale a pena passar pelas duzentas primeiras páginas!!! A calmaria vai passar e vai tudo pelos ares. Prometo! Também foi adaptado para as telonas mas não vi o filme…


  • O Concorrente (The Running Man)

bahzofilaetc_capa the running man

Jogos Vorazes que abra caminho, pois Stephen King já tinha entrado na onda dos jogos assassinos bizarros pela sobrevivência a muito tempo! Neste livro o personagem principal (Ben Richards) decide participar de um jogo televisivo para conseguir dinheiro para comprar os medicamentos necessários para salvar sua filha, que está morrendo. O mundo é um lugar tomado pelo consumismo excessivo e as diferenças entre ricos e pobres é extrema. As pessoas morrem de fome e doença enquanto assistem aos jogos pela televisão. Porém, nestes jogos os participantes passam por provas bem grotescas… Esse livro tem uma adaptação cinematográfica (acho que todo mundo lembra do Arnold Schwarzenegger correndo por aí de colan lutando contra um gigante com uma serra elétrica?). Não pode-se dizer que foi uma adaptação fiel…


  • A Torre Negra (The Dark Tower series)

bahzofilaetc_caoas_torre negra

Ok, estou trapaceando, mas essa é a minha série favorita de livros. De todos os tempos. São sete livros incríveis, com os personagens mais legais e os enredos mais bacanas.

A série começa com Roland Deschain, último pistoleiro da linha de Eld, perseguindo um homem de manto negro. A partir daí ficamos conhecendo mais sobre a vida de Roland, quem é esse cara de preto, o “envolvimento” dos dois e a destruição do mundo. Não quero falar mais sobre a história porquê tanta coisa pode ser entregue… Então prefiro me ater apenas a alguns pontos: temos um mundo desolado, destruído, com relíquias de outros tempos e outros mundos por aí, lutas intensas com inimigos bizarros e com o mal dentro de cada um… Situações de aventura, ação, suspense, terror! E tudo parece estar ligado submetido à Torre Negra…

Com o passar dos livros a história toma proporções astronômicas e pode-se perceber o amadurecimento do escritor, que escreveu o primeiro livro aos 19 anos (na década de 70) e o sétimo em 2004. Essas mudanças já são percebidas drasticamente no segundo livro da série, lançado cinco anos depois.

Em 2012, King publicou um oitavo livro da série, A Torre Negra: O Vento pela fechadura, que se encaixaria entre o quarto e quinto livros. Foi uma emoção enorme receber esse presente após terminar de ler a série!

É difícil até de escolher um livro favorito entre os sete, porém pra mim o primeiro, o quarto e o último livros são realmente primorosos. O último então… Destroçou meu coração e me deixou em frangalhos… Mas o final é incrível. Muita gente pode discordar mas eu não consigo imaginar um final diferente do que aquele criado pelo autor.

E o que mais legal – talvez um pouco spoiler, ENTÃO SE NÃO QUISER LEVAR SPOILER, PULE ESSE PARÁGRAFOfoi que a série A Torre Negra consegue amarrar diversos outros livros do Stephen King! Isso me fez admirá-lo ainda mais!


Stephen King possui diversos grandes livros que eu ainda não li (como por exemplo os clássicos Carrie, It, Cemitério Maldito, Christine, Misery, A Dança da Morte, Um Sonho de Liberdade, entre váááários outros). Alguns eu já comecei a ler como o Talismã, À Espera de um Milagre e 1408, porém estou com as mãos coçando para ler a sequência do Iluminado lançada aqui no Brasil no ano passado!

Vou me dedicar mais às obras do autor para poder fazer outro post desses em breve.

É isso!